Translate

domingo, 14 de abril de 2019

Na bruma leve das paixões que vêm de dentro

Na bruma leve das paixões que vêm de dentro
Tu vens chegando pra brincar no meu quintal
No teu cavalo, peito nu, cabelo ao vento
E o Sol quarando nossas roupas no varal

Poesia, paixão, melodia, esse é o Alceu Valença! Não há quem dispense um sorriso e um cantarolar quando começa a escutar essa música. A esperança da virada, do melhor, do amor, da alegria. É o que ele nos anuncia, nessa Anunciação...

Anunciação

Na bruma leve das paixões que vêm de dentro
Tu vens chegando pra brincar no meu quintal
No teu cavalo, peito nu, cabelo ao vento
E o Sol quarando nossas roupas no varal

Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais
Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais

A voz do anjo sussurrou no meu ouvido
Eu não duvido, já escuto os teus sinais
Que tu virias numa manhã de domingo
Eu te anuncio nos sinos das catedrais

Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais
Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais

Na bruma leve das paixões que vêm de dentro
Tu vens chegando pra brincar no meu quintal
No teu cavalo, peito nu, cabelo ao vento
E o Sol quarando nossas roupas no varal

Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais
Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais

A voz do anjo sussurrou no meu ouvido
Eu não duvido, já escuto os teus sinais
Que tu virias numa manhã de domingo
Eu te anuncio nos sinos das catedrais

Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais
Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais


 

quinta-feira, 28 de março de 2019

Pela porta aberta

Pela porta aberta
De um coração descuidado
Entrou um amor em hora incerta
que nunca deveria ter entrado


Há pouco tempo falamos aqui sobre o samba exaltação. Aquele samba composto para homenagear uma Escola de Samba. A Portela reúne os mais lindos exemplos, como é o caso de Portela na Avenida e Foi um rio que passou em minha vida. Mas este samba que eu escolhi hoje também é uma marca inesquecível, composto e interpretado por Luiz Ayrão, e lançado em 1973: Porta Aberta.



Luiz Ayrão está comemorando 50 anos de carreira

O Luiz Ayrão tem muitas músicas de sucesso que eu adoro, tais como Bola Dividida, Lencinho, Os Amantes, Nossa Canção, mas Porta Aberta é a mistura perfeita do romance, da dor de cotovelo, do samba exaltação, da volta por cima. Muita inspiração e amor ao samba.

Ele completou 50 anos de carreira artística e está em plena atividade com shows pelo Brasil e gravando um disco novo. Provou que mesmo com o amor saindo pela porta aberta, o samba entrou na vida dele e ficou!


Depois da letra, tem um vídeo para você ouvir e curtir.

Pela porta aberta
De um coração descuidado
Entrou um amor em hora incerta
que nunca deveria ter entrado.

Chegou e tomou conta da casa,
fez o que bem quis e saiu.
Bateu a porta do meu coração,
que nunca mais se abriu.

E por isso...
Por isso, a nostalgia tomou conta de mim
Mas um amigo percebeu e disse assim:
Para que tanta tristeza, rapaz?
Acabe com ela, vem comigo conhecer
A Portela, Portela

Fenômeno que não se pode explicar
Portela, Portela
Uma corrente faz a gente sem querer sambar
É ela, é ela
O novo amor a quem eu quero agora me entregar.
O samba fez milagre
Reabriu meu coração para a Portela entrar.
Pela porta...



Mas se você chegou aqui porque é fã do Luiz Ayrão, há dois links que selecionei para você.

O primeiro deles é para um programa Todas as Bossas, da TV Brasil, que foi ao ar no ano passado (2018). Nele, um show com Luiz Ayrão interpretando os seus principais sucessos. E conta com a participação especial do Monarco e do Paulinho Mocidade em algumas músicas. Assisti, na íntegra há poucos dias, junto com a minha mãe, relembrando algumas dessas músicas que avançam de geração a geração. No programa, ele canta Saudades da República, Bola Dividida, Mulher à Brasileira, Porta Aberta, Silêncio da Madrugada, Nossa Canção, Os Amantes, Lencinho, Nossa Canção, entre outras.


Se você não conhece bem o Luiz Ayrão, ou não reconheceu algumas dessas músicas ao ler o nome, vou escrever uma frase de algumas delas para facilitar:

Aquele lencinho / que você deixou / É um pedacinho / Da saudade que ficou

Qualquer dia / qualquer hora / a gente se encontra

Olhe bem / preste atenção / Esta é a nossa canção

Aproveitou o silêncio da madrugada / e sem dizer nada / catou os seus farrapos do roupeiro

Reconheceu agora?

Bom, o segundo link é um álbum com os vinte maiores sucessos do Luiz Ayrão no Spotify.



#LuizAyrao #PortaAberta #Portela #samba #música #mpb #VemVindoUmaMelodia


Se você gostou do nosso blog Vem Vindo uma Melodia, compartilhe em suas redes:
vemvindoumamelodia.blogspot.com

Se preferir, acompanhe atualizações curtindo e seguindo no facebook:
facebook.com/vemvindoumamelodia

Referências:

Página oficial: www.luizayrao.com.br

Dicionário Cravo Albin da MPB: http://dicionariompb.com.br/luiz-ayrao

Blog do Mauro Ferreira (O Globo): https://g1.globo.com/pop-arte/musica/blog/mauro-ferreira/post/2018/09/19/luiz-ayrao-volta-a-campo-com-ep-em-que-registra-ineditos-sambas-autorais-e-musica-de-monarco.ghtml

segunda-feira, 25 de março de 2019

Dona da minha cabeça

Na força dessa beleza é que eu sinto firmeza e paz
Por isso nunca desapareça
Nunca me esqueça, eu não te esqueço jamais
Eu digo e ela não acredita, ela é bonita demais


Algumas músicas ganham mais força por causa do seu intérprete. O jeito de cantar, a ênfase em cada verso, a hora de respirar ou de correr. E quando o intérprete é um dos compositores, nem sempre isso é sinal de sucesso. Quantas e quantas músicas ficaram melhores em gravações futuras...

Mas no caso dessa música e do Geraldo Azevedo, eu não tenho dúvida. É uma harmonia completa de voz, verso e melodia. Por isso fez sucesso e ainda faz, desde 1986 quando foi gravada. Essa música faz minha cabeça. E a sua?





Dona da minha cabeça

Dona da minha cabeça ela vem como um carnaval
E toda paixão recomeça, ela é bonita, é demais
Não há um porto seguro, futuro também não há
Mas faz tanta diferença quando ela dança, dança

Eu digo e ela não acredita, ela é bonita demais
Eu digo e ela não acredita, ela é bonita, bonita
Digo e ela não acredita, ela é bonita demais
Eu digo e ela não acredita, ela é bonita, é bonita

Dona da minha cabeça quero tanto lhe ver chegar
Quero saciar minha sede milhões de vezes
Milhões de vezes

Na força dessa beleza é que eu sinto firmeza e paz
Por isso nunca desapareça
Nunca me esqueça, eu não te esqueço jamais
Eu digo e ela não acredita, ela é bonita demais
Eu digo e ela não acredita, ela é bonita, bonita
Digo e ela não acredita, ela é bonita demais
Eu digo e ela não acredita, ela é bonita, é bonita


Compositores: Fausto Nilo e Geraldo Azevedo

Quando a poesia se apresenta em forma de música, ela fica ainda mais forte. Vejam que interessante a reflexão da Lucimara Trevisan, do Centro Loyola:


"Música antiga que gruda na gente... refrão que persegue! O que "gruda", além da melodia, do tom meio "sofrido" do cantor? A constatação "triste-bela" de que é um amor sem futuro? Não tenho respostas, só uma sensação de ser um amor que o domina, inspira. O ser amado parece nem se dar conta, nem acreditar que é bela, que é amada. Beleza que vai além da aparência, por isso, a repetição de que ela nem acredita que é bonita demais. Ah! A música mexe com o desejo de ser amado assim também, com o desejo de ser olhado com amor e ser reconhecido pela Beleza que se é."

Aqui um vídeo com o próprio Geraldo Azevedo, em uma gravação ao vivo do Projeto O Grande Encontro. Garanto que você vai gostar, ela é bonita demais!


A música foi uma das primeiras parcerias do Geraldo Azevedo com o Fausto Nilo. Fez sucesso também em uma gravação do Fagner e em trilhas de novelas e séries de televisão. E muita gente pergunta, mas quem é essa dona da sua cabeça? Olha só o que o próprio Geraldo Azevedo fala sobre isso:



Mas pra você que chegou aqui porque é fã desse artista fantástico que é o Geraldo Azevedo, eu deixo o seu mais novo álbum, chamado Solo Contigo, gravado ao vivo em um show do tipo voz e violão.



#GeraldoAzevedo #FaustoNilo #DonadaMinhaCabeca #OGrandeEncontro #musica #forro #xote #mpb #VemVindoUmaMelodia

Se você gostou do nosso blog, compartilhe em suas redes.

Se preferir, acompanhe as atualizações curtindo e seguindo em nossa página do facebook:
facebook.com/vemvindoumamelodia/

Referências:

https://centroloyola.org.br/revista/bagagem/uma-musica/918-dona-da-minha-cabeca

http://qualdelas.com.br/dona-da-minha-cabeca/

https://www.youtube.com/watch?v=s0PVU7aaptI


segunda-feira, 11 de março de 2019

Portela na Avenida

Sucesso de Clara Nunes, esse samba exaltação foi composto em 1971 por Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro. Ele enfatiza o sincretismo religioso, com base na fé professada por aquela maravilhosa artista que nos deixou com apenas 40 anos de idade.

No carnaval desse ano, no Rio de Janeiro, esse samba foi lembrado e materializado nesse lindo carro alegórico que eu fotografei no dia do Desfile das Campeãs. Aliás, todo o desfile da Portela foi uma merecida e linda homenagem à Clara Nunes.

Portela na Avenida

Portela
Eu nunca vi coisa mais bela
Quando ela pisa a passarela
E vai entrando na avenida
Parece
A maravilha de aquarela que surgiu
O manto azul da padroeira do Brasil
Nossa Senhora Aparecida
Que vai se arrastando
E o povo na rua cantando
É feito uma reza, um ritual
É a procissão do samba abençoando
A festa do divino carnaval
Portela
É a deusa do samba, o passado revela
E tem a velha guarda como sentinela
E é por isso que eu ouço essa voz que me chama
Portela
Sobre a tua bandeira, esse divino manto
Tua águia altaneira é o espírito santo
No templo do samba
As pastoras e os pastores
Vêm chegando da cidade, da favela
Para defender as tuas cores
Como fiéis na santa missa da capela
Salve o samba, salve a santa, salve ela
Salve o manto azul e branco da Portela
Desfilando triunfal sobre o altar do carnaval
Portela
Eu nunca vi coisa mais bela
Quando ela pisa a passarela
E vai entrando na avenida
Parece
A maravilha de aquarela que surgiu
O manto azul da padroeira do Brasil
Nossa Senhora Aparecida
Que vai se arrastando
E o povo na rua cantando
É feito uma reza, um ritual
É a procissão do samba abençoando
A festa do divino carnaval
Portela
É a deusa do samba, o passado revela
E tem a velha guarda como sentinela
E é por isso que eu ouço essa voz que me chama
Portela
Sobre a tua bandeira, esse divino manto
Tua águia altaneira é o espírito santo
No templo do samba
As pastoras e os pastores
Vêm chegando da cidade, da favela
Para defender as tuas cores
Como fiéis na santa missa da capela
Salve o samba, salve a santa, salve ela
Salve o manto azul e branco da Portela
Desfilando triunfal sobre o altar do carnaval
Salve o samba, salve a santa, salve ela
Salve o manto azul e branco da Portela
Desfilando triunfal sobre o altar do carnaval


No vídeo abaixo, curta esse samba exaltação  interpretado lindamente pela Mariene de Castro.



Bom, mas quanto ao samba-enredo deste ano, ele é uma síntese da homenagem, mostrando a força da presença de Clara Nunes na história da Portela, destacando sua crença, seu vínculo e seu legado. Veja a letra do samba-enredo, seguida do vídeo oficial de divulgação:

Na Madureira Moderníssima, Hei Sempre de Ouvir Cantar Uma Sabiá

Axé, sou eu
Mestiça, morena de Angola, sou eu
No palco, no meio da rua, sou eu
Mineira, faceira, sereia a cantar, deixa serenar
Que o mar de Oswaldo Cruz a Madureira
Mareia a brasilidade do meu lugar
Nos versos de um cantador
O canto das raças a me chamar
De pé descalço no templo do samba estou
É rosa, é renda pra Águia se enfeitar
Folia, furdunço, ijexá
Na festa de Ogum beira-mar
É ponto firmado pros meus orixás, Eparrei!

Eparrei Oyá, Eparrei
Sopra o vento, me faz sonhar
Deixa o povo se emocionar
Sua filha voltou, minha mãe

Eparrei Oyá, Eparrei
Sopra o vento, me faz sonhar
Deixa o povo se emocionar
Sua filha voltou, minha mãe

Pra ver a Portela tão querida
E ficar feliz da vida
Quando a Velha Guarda passar
A negritude aguerrida em procissão
Mais uma vez deixei levar meu coração
A Paulo, meu professor
Natal, nosso guardião
Candeia que ilumina o meu caminhar
Voltei à Avenida saudosista
Pro Azul e Branco modernista eternizar
Voltei, fiz um pedido à Padroeira
Nas Cinzas desta Quarta-feira, comemorar

Nossas estrelas no céu estão em festa
Lá vem Portela com as bênçãos de Oxalá
No canto de um Sabiá, sambando até de manhã
Sou Clara Guerreira, a filha de Ogum com Iansã

Nossas estrelas no céu estão em festa
Lá vem Portela com as bênçãos de Oxalá
No canto de um Sabiá, sambando até de manhã

Sou Clara Guerreira, a filha de Ogum com Iansã

Composição: Jorge Do Batuke / Zé Miranda / Valtinho Botafogo / Rogério Lobo / José Carlos / D’Souza / Claudinho Oliveira / Beto Aquino / Araguaci 



#Portela #Carnaval #DesfiledasCampeas #ClaraNunes #vemvindoumamelodia #PauloCesarPinheiro #MauroDuarte #MarieneDeCastro

quarta-feira, 6 de março de 2019

Mangueira e a História do Brasil em 2019

O Carnaval, ao longo da história, sempre foi palco de protestos. Sambas, marchinhas, fantasias, alas das Escolas de Samba, enfim, por diferentes formas, os artistas e os foliões extravasam e registram o seu grito de protesto.

Alguns enredos ajudam a enfatizar esse grito. E esse ano, quem fez isso com muita competência foi a tradicional Escola carioca, a Estação Primeira da Mangueira. E foi essa competência de associar o enredo histórico a um desfile técnico impecável que a levou ao título de campeã do Carnaval de 2019, com nota máxima em todos os quesitos do julgamento.

O carnavalesco Leandro Vieira, na parte inicial da sinopse do enredo, explica sua intenção:


HISTÓRIA PRA NINAR GENTE GRANDE é um olhar possível para a história do Brasil. Uma narrativa baseada nas “páginas ausentes”. Se a história oficial é uma sucessão de versões dos fatos, o enredo que proponho é uma “outra versão”. Com um povo chegado a novelas, romances, mocinhos, bandidos, reis, descobridores e princesas, a história do Brasil foi transformada em uma espécie de partida de futebol na qual preferimos “torcer” para quem “ganhou”. Esquecemos, porém, que na torcida pelo vitorioso, os vencidos fomos nós.
Ao dizer que o Brasil foi descoberto e não dominado e saqueado; ao dar contorno heroico aos feitos que, na realidade, roubaram o protagonismo do povo brasileiro; ao selecionar heróis “dignos” de serem eternizados em forma de estátuas; ao propagar o mito do povo pacífico, ensinando que as conquistas são fruto da concessão de uma “princesa” e não do resultado de muitas lutas, conta-se uma história na qual as páginas escolhidas o ninam na infância para que, quando gente grande, você continue em sono profundo.

A íntegra da sinopse do enredo está disponível no portal da Escola, no seguinte endereço: http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/enredo

Foto: Rodrigo Gorosito / G1

Com um samba forte e empolgante, com fantasias, alas e carros alegóricos que transmitiram bem a ideia original, a Mangueira conquistou com facilidade o público das arquibancadas do sambódromo carioca e os telespectadores de todo o Brasil, conforme foi demonstrado em pesquisas de opinião coletadas pela imprensa. E na quarta-feira de cinzas, o júri técnico confirmou o que era esperado, dando o título para a Estação Primeira de Mangueira.

Aqui, saudamos a vencedora, parabenizamos todas as participantes e colocamos algumas opções musicais para você.

No vídeo abaixo, logo depois da letra, o clipe oficial do samba enredo da Mangueira.
Brasil, meu nego
Deixa eu te contar
A história que a história não conta
O avesso do mesmo lugar
Na luta é que a gente se encontra
Brasil, meu dengo
A Mangueira chegou
Com versos que o livro apagou
Desde 1500
Tem mais invasão do que descobrimento
Tem sangue retinto pisado
Atrás do herói emoldurado
Mulheres, tamoios, mulatos
Eu quero um país que não está no retrato
Brasil, o teu nome é Dandara
E a tua cara é de cariri
Não veio do céu
Nem das mãos de Isabel
A liberdade é um dragão no mar de Aracati
Salve os caboclos de julho
Quem foi de aço nos anos de chumbo
Brasil, chegou a vez
De ouvir as Marias, Mahins, Marielles, malês
Mangueira, tira a poeira dos porões
Ô, abre alas pros teus heróis de barracões
Dos Brasil que se faz um país de Lecis, jamelões
São verde e rosa as multidões
Autores: Deivid Domênico, Tomaz Miranda, Mama, Marcio Bola, Ronie Oliveira e Danilo Firmino Intérprete: Marquinhos Art'Samba.