Translate

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Vinícius e o samba falado

No dia dos pais, ganhei dos meus filhos um presente daqueles que me encantam. Que foi direto ao ponto e ao momento que estou vivendo. Esse presente foi o livro Samba Falado - crônicas musicais, de Vinícius de Moraes. Na dedicatória já estava prescrito: "para trazer inspiração para o blog". Na mosca!

O livro é uma delícia no início ao fim. São crônicas sobre a música popular brasileira, que Vinícius escreveu entre 1953 e 1972. Uma viagem no tempo e na história, vendo o surgimento da bossa nova, de artistas e músicas, com histórias contadas por quem viveu e conviveu com tudo isso. O amigo e parceiro Tom Jobim é um dos principais personagens dessas crônicas. Além dele, Vinícius me fez conhecer um pouco mais do Baden Powell, Carlinhos Lyra, Pixinguinha, Elizeth Cardoso, Jayme Ovalle, Antônio Maria, João Gilberto, Astrud Gilberto, Dolores Duran, Edu Lobo, enfim, gente que ajudou a construir uma época musical.

É impressionante a capacidade de certos gênios, que só quando a gente para pra pensar, damos a atenção que merecem. Vinícius era um desses gênios, sendo escritor, poeta, compositor, cantor, diretor musical... E a perenidade de sua obra é inquestionável. A música Garota de Ipanema, que ele compôs com Tom Jobim, é a segunda música mais tocada em todo o mundo, perdendo apenas para Yesterday, de John Lennon.


Tom e Vinícius, parceiros geniais

Bom, esse pequeno livro de crônicas deve render mais de uma história aqui neste nosso blog, mas hoje vai ser dia de homenagear Vinícius, principalmente por ele ter renascido na minha memória enquanto eu caminhava pelas páginas do livro ouvindo as suas músicas e viajando no tempo.

Vou começar com dez músicas, em uma lista compartilhada, que você pode completar se quiser. Começo com a primeira que ele fez em parceria com Tom Jobim, passo pelos parceiros, passo por quando ele foi parceiro dele mesmo e termino com o seu último e fiel parceiro, Toquinho, de quem ele escreveu assim, em uma crônica de 1972:

"Encontrei novamente um parceiro para valer, ele é um jovem paulista de vinte e quatro anos, de origem calabresa, com uma pinta de menestrel medieval a quem se ajustariam muito bem um gibão de listras e um gorrinho vermelho encimado de uma pluma. Chama-se Antonio Pecci Filho, mas é conhecido pelo apelido familiar de Toquinho, apesar de seu metro e setenta - e simplesmente janta o violão: será, na minha opinião, o grande sucessor de Baden Powell, como Baden foi o de Canhoto."


Toquinho e Vinícius. Compondo!

E aqui estão as músicas escolhidas, indicando os parceiros entre parênteses:


Se todos fossem iguais a você (Tom Jobim e Vinícius de Moraes)
Garota de Ipanema (Tom Jobim e Vinícius de Moraes)
Samba da Bênção (Baden Powell e Vinícius de Moraes)
Samba em Prelúdio (Baden Powell e Vinícius de Moraes)
Minha Namorada (Carlos Lyra e Vinícius de Moraes)
Gente Humilde (Chico Buarque, Garoto e Vinícius de Moraes)
Onde anda você (Hermano Silva e Vinícius de Moraes)
Pela Luz dos Olhos Teus (Vinícius de Moraes)
Carta ao Tom (Toquinho e Vinícius de Moraes)
Tarde em Itapuã (Toquinho e Vinícius de Moraes)

Para ouvir essa playlist no Spotify, clique aqui.

Para ouvir no Deezer, clique aqui.

E pra fechar o assunto, eu deixo você com a dupla imortal, Toquinho e Vinícius, falando e cantando sobre tristeza e felicidade.



Veja mais sobre Vinícius de Moraes, no portal oficial:
http://www.viniciusdemoraes.com.br/

Sobre o livro: Samba Falado - crônicas musicais. Organizadores: Miguel Jost, Sergio Cohn, Simone Campos. Editora Azougue: http://www.azougue.com.br/samba-falado/p